Páginas

sexta-feira, 24 de junho de 2011

O nascimento do menino Diabo: O meu pé de laranja lima

Tenho lido simultaneamente três livros, e não gosto muito, mas é questão de necessidade. Preciso preparar os contos para os alunos e me dedico à releitura das histórias. Na academia, leio "Não há silêncio que não termine", meu livro tenso, e esses dias li "O Meu pé de Laranja Lima" com a intenção de trabalhá-lo com meus alunos antes das férias. E é sobre este último que quero postar no blog.


O livro tem um título que nunca me faria parar a fim de lê-lo, mas recebi uma indicação e confiei nesta palavra. Não me arrependo, realmente o livro é incrívelmente... triste e lindo. E concordo, o livro deveria se chamar: O nascimento do menino Diabo. Teria medo, também não leria, mas chamaria mais atenção.

Não quero dizer muito da história, porque vou acompanhá-lo com meus leitores do oitavo ano, mas somente depois das férias...

Estou meio sem inspiração para fazer minhas reflexões, mas deixarei uma rapidinha sobre o livro:

Melhor parte: Quando Zezé se torna amigo de Portuga.

Pior parte: As verdades que são apresentadas tão cruelmente a um menino tão feliz, apesar de tudo, e inocente.

Uma frase feliz: "De pedaço em pedaço é que se faz ternura"

Uma frase triste: "Era difícil recomeçar tudo sem acreditar nas coisas."

Uma frase para refletir: "Não chore, meu filho. Você vai ter muito que chorar pela vida, se continuar um menino assim tão emotivo."

Um momento marcante: O Natal sem presentes

Uma lição: "A gente não deve tirar as ilusões de uma criança"

Uma personagem: Portuga

Por meio desta leitura, nós nos apaixonamos pelo mundo de Zezé, chegamos a odiar as pessoas pelos mesmos motivos que ele. E ficamos felizes quando algumas o protegem, como a irmã, Portuga e a professora. Também não se pode deixar de destacar o amor e o cuidado que ele tem com o irmão mais novo, sem contar seu pé de Laranja Lima, o Minguinho, o Xuxuruca, que se torna, por meio de sua imaginação,  uma pessoa compreensiva, sempre pronta a ouvi-lo e mergulhar no mesmo mundo que ele.

Sem dúvida um livro que nos tira inúmeras lágrimas pela dor que sofre, como já avisa o livro na primeira página: "História de um meninozinho que um dia descobriu a dor..." E com ele fazemos essa dolorosa descoberta...

Vale a pena acompanhar a vida de Zezé, seu modo inocente, suas conclusões diante dos fatos, a descrença em um Menino Jesus devido à situação em que vive, a falta de compreensão dos familiares, o jeito amigo, brincalhão. Com Zezé corremos pela rua, engraxamos sapatos, juntamos dinheiro, cantamos um tango, brigamos com aqueles que o maltratam, e nos apaixonamos por aqueles que reconhecem o seu imenso valor!

Agora, algumas frases:

"Mas como eu não podia cantar por fora, fui cantando por dentro."

"- Por que você não aprende e não faz como eu?
- E como é que você faz?
- Não esperonada. Assim a gente não fica desapontado"

"Vamos dormir. O sono faz a gente esquecer de tudo."

"Você tem que saber que o coração da gente tem que ser muito grande e caber tudo que a gente gosta."

"A vida a gente não resolve assim de uma só manobra."

"(...) a vida sem ternura não é lá grande coisa."

Em breve, postarei sobre o livro tenso: Não há silêncio que não termine. E devo acrescentar... E livro que não termine hahahaha

Bom feriado a todos!

Autos antigos na cidade! Vale a pena conferir!

7 comentários:

  1. "O meu pé de laranja lima" foi um dos melhores livros que li na vida. Inesquecível. O li pela primeira vez acho que na 8ª série também.

    ResponderExcluir
  2. Realmente, inesquecível! Este ano vou pretendo ler com meus alunos!

    ResponderExcluir
  3. Um livro marcante em minha via, lembro que quando o li pela primeira vez, estava na quinta série e com 11 anos, ia para a escola de ônibus, e obviamente lendo o livro, entrei na história do livro, sentia as dores e a alegria do menino Zezé, as vezes me pegava enxugando as lágrimas e me assustava com deliciosas gargalhadas, as pessoas do ônibus, ficavam de olho torto, acredito que até me achavam doida por isso. Amei esse livro e o tenho como favorito ele com o pequeno principe, livros que ficam sempre na cabeceira...

    ResponderExcluir
  4. Um livro inesquecível, despertou em mim as mais profundas emoções...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente. Trata-se de um livro que nos encanta profundamente, e nos faz sentir as dores de Zezé no decorrer da leitura. Inesquecível e triste demais!

      Excluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Olá, Luciana.

    Eu procurava pela frase: "(...) a vida sem ternura não é lá grande coisa.", quando encontrei o seu blog.

    Essa amizade entre Zezé e Minguinho fantasticamente me encantou, desde o primeiro encontro que tive com José Mauro de Vasconcelos. Ainda hoje, alguns trechos residem no meu coração.

    Gostei de suas palavras, e acompanharei o seu blog.
    Até.

    ResponderExcluir